Mas tudo bem… Seus mais de 400 visualizadores do site diários… TUDO bem…

Para compensar o meu sumiço de ontem (Jogo novo + Entrei em coma), hoje estou postando um pedaço BEM caprichado. Percebo que será DIFÍCIL, nesse início do capítulo do Hakase, fazer uma postagem por dia, motivo: TENHO QUE PESQUISAR PARA FAZER OS BAGULHOS!
No caso do Mouri eu já tinha pesquisado e estudado TUDO a priori, mas dessa vez, estou fazendo em simultâneo. Por isso a dificuldade… MAS espero que gostem desse GRANDE pedaço de hoje =V


O grupo chegou ao local do acampamento próximo do fim da tarde. Era uma área bastante aconchegante e popular entre aqueles que curtiam as montanhas nos fins de semanas, para fugir da vida agitada da cidade e afins. Tinha no mínimo uns seis grupos no local, ou pelo menos, seis conjuntos de barracas.

Próximo ao rio tem três conjuntos:

1º Um casal na casa dos 50 anos;

2º Um pescador solitário em volta dos 40 anos;

3º Um grupo com quatro estudantes universitárias;

Mais próximo a floresta tinha dois conjuntos:

1º Irmãos gêmeos;

2º Um senhor bastante musculoso, porém velho. Algo em torno dos 70 anos;

E por fim, o grupo do Shonen Tantei Dan no meio, não muito longe do rio, nem muito longe da floresta. Existiam muitos motivos para tal escolha, uns que poderiam ser ditos para as crianças, outros que eram segredo entre Haibara, Conan e Hakase.

Por questão de adiantamento, Conan decidiu, junto com as outras crianças, cumprimentar todos que estavam ali, para aquele final de semana. Não há nenhum mal, e caso o jogo ocorresse ali, Conan já teria coletado informação de todos os suspeitos.

Isso tinha virado rotina nesse mês. Sempre que paravam em algum lugar por um tempo, Edogawa cumprimentava a todos e fazia algumas questões básicas. As outras crianças já tinham notado essa pequena diferença, mas não acharam muito estranho porque não era muito diferente do comum.

Então, foram eles, começando pelo rio na ordem apresentada;

– Boa noite, meu nome é Edogawa Conan e esses são meus amigos: Genta, Mitsuhiko e Ayumi. Nós e o Hakase vamos passar o final de semana aqui acampando. Espero que possamos nos dar bem nesse curto período de tempo.

A senhora arregalou os olhos em surpresa a repentina aparição das crianças a cumprimentá-las. Com um leve sorriso ela se curvou a pequena criança e se apresentou:

– Olha só mais que garoto educado! Será um prazer passar esse final de semana com vocês. Meu nome é Furuzaki Tomoe, e esse é meu marido Hugo. – O senhor deu uma pequena reverência segurando o chapéu enquanto mexia na churrasqueira.

– Whaaa! – Exclamou Mitsuhiko chegando perto do senhor. – Essa é uma daquelas pulseiras de sobrevivência?!

Um pouco alarmado, o senhor demorou um pouco para se recompor. Mas após compreender o que a criança apontava, ele alegremente falou sobre.

– Sim! Como sempre amei a natureza, quando ganhei essa pulseira da minha sobrinha passei a usar o tempo todo, e agora poderei usá-la na prática. Olha só, irei usar ela para acender a churrasqueira. – Ele tirou a pulseira e demonstrou que o fecho que trava a pulseira é feita com uma pequena vara de magnésio e do outro lado uma pequena peça de metal dentada, que ao se friccionarem soltavam faísca. Dessa maneira ele pode acender a churrasqueira e impressionar as crianças.

Além disso, o casal convidou a todos para se juntarem ao churrasco deles, Genta naturalmente estava bastante animado com a ideia, e ainda questionou se teria enguia… Como sempre…

Além disso, das informações adquiridas, Hugo é meio Japonês e meio Grego. Nunca foi para a Grécia, nasceu e cresceu no Japão e não pretende sair. Os dois se conheceram na universidade, e começaram a namorar após um ano de amizade. Tiveram uma garota, e hoje ela tem 22 anos e está morando longe, fazendo arquitetura. Hugo se aposentou cedo por causa de um acidente na fabrica onde trabalhava, fazendo com que ele não possa levantar peso em excesso. Sempre que a Tomoe pega uma folga do serviço, eles viajam para algum canto do Japão, seja a praia, as montanhas ou até mesmo uma floresta.

Após essa longa conversa, eles partiram para cumprimentar os outros grupos.


O próximo “grupo” na verdade era somente um pescado, que o Conan iria se apresentar da mesma maneira, mas Genta se agitou ao ver que o homem tinha em sua caixa de isolamento térmico várias enguias.

– Hey! Ossan! Você vai comer essas enguias?! – Perguntou o garoto aos gritos, mas o pescador nem se quer balançou a cabeça.

Mitsuhiko ao perceber o desdém do homem, tentou tirar o Genta de perto dele, fazendo o garoto gordinho soltar um: “Pelo menos responde…”

– Desculpe-me a agitação do meu amigo, ele gosta muito de enguia. – Conan tentou amenizar o início, mas aquele pescador, de fato, parecia estar ignorando o mundo.

Foi a Ayumi que teve o palpite certeiro nesse caso. Com um sorriso largo ela “jogou” na frente do homem que dessa vez reagiu com uma pequena endireitada do corpo. Ela acenava com as mãos energeticamente, o que fez o homem corresponder com um aceno tímido e singelo.

– Ah… Ele é surdo. – Concluiu Conan, que não sabia línguas de sinais. Então, com o celular, ele tentou conversar com o homem que se demonstrou um pouco impaciente, mas respondeu que seu nome era Kagari Nagazaki e que só tinha vindo pescar. E as enguias eram sua comida e que não planejava dividi-la porque estava contada, a não ser que trocassem por algo que pudesse satisfazê-lo igualmente. Genta aceitou a proposta e convenceu o Hakase a deixar que ele trocasse sua porção de carne do dia pela enguia.

Tirando esse pequeno cambio, nenhuma informação, ou troca de informação foi conseguida.


No último grupo próximo ao rio tinha quatro garotas da universidade de Tokyo que estavam mais preocupadas em tirar fotos para uma conta do Instagram que de fato preparar suas barracas. Elas não planejavam ficar o final de semana inteiro. Iriam embora no outro dia ao final da noite.

Elas faziam parte do clube de fotografia e estavam lá para atualizar o álbum do grupo. A mais velha e líder do clube se chamava Gukuro Ino, um nome bastante incomum, por assim dizer, mas ela era como uma irmã protetora, tinha uma voz calma e um sorriso acolhedor. A vice-líder era baixinha e extremamente agitada, seu cabelo pintado de loiro se destacava pelo exagero. Seu nome era Ikeda Himeko, apesar de seu jeito hiperativo, ela sabia tudo o que era necessário fazer no acampamento, ele devia ter experiência no quesito. Agora a mais alta e também mais nova, Tanaka Kana era o completo oposto, extremamente quieta e tímida. Ela gostava de ficar mexendo na câmera, revisando as fotos, ângulos e possíveis pontos para uma boa foto. Por fim, Ito Sayaka. Mesma idade que Ikeda Himeko e parecia estar passando mal, porque só saia para tirar a foto em grupo e voltar para a barraca. Aliás, uma das fotos do grupo incluía as crianças. Elas disseram que seria legal adicioná-las ao álbum.


Com isso, as pessoas próximas ao rio foram “cumprimentadas”, agora só faltavam os três que se encontravam próximos a floresta. Os gêmeos e idoso musculoso.

Os gêmeos eram ridiculamente assustadores. Seus rostos eram rígidos e quadriculados. Suas mandíbulas eram imensas, suas sobrancelhas eram unidas e caídas, tampando praticamente os olhos, suas expressões carrancudas complementavam o “kit”. Um dos irmãos, o mais velho, tinha cabelos cumpridos e desfiados, dando uma aparência completamente selvagem e desleixada.  O mais novo, porém, tinha um cabelo curto encharcado em gel em um cabelo mal arrepiado e com excesso de brilho. Ambos eram levemente barrigudos e bastante largos. Suas vocês eram escandalosas e agudas, completamente opostas da aparência rígida e uniforme.

O mais velho se chamava Aoyama Ichiro e o mais novo Aoyama Niro. Apesar de suas aparências completamente… Inesperadas… Eles foram bem educados e pacientes com as crianças. Não demonstraram se sentirem ofendidos quando Ayumi gritou de susto quando Ichiro se aproximou dela para perguntar o que as crianças estavam fazendo em sua barraca, ou quando Mitsuhiko se escondeu atrás do Genta que levantaram os punhos para lutar enquanto ambos gritavam para “O monstro deixar a Ayumi em paz”.

Na realidade, eles até riram da situação e Niro ofereceu um pirulito para cada criança de um saco que ele acabara de abrir. Aparentemente o irmão mais novo amava doce, enquanto o mais velho preferia o sabor mais azedo. Outra coisa que poderia diferenciar os irmãos era que Niro mancava com a perna direita. Aparentemente ele se envolveu em um acidente no trabalho.

Falando em trabalho, Niro trabalhava em uma fábrica e Ichiro era dono de um pequeno restaurante no pé da montanha. E eles vinham todo final de semana na área montanhosa para poder pegar lenha e visitar o túmulo de vossa mãe. Ela morreu quando eles tinham somente 10 anos e o pai está vivendo em uma casa de repouso.

Eles adoravam conversar e tinham um amor elevado para música. Niro queria abandonar o emprego na fábrica um dia para virar professor de música para as crianças locais um dia. Ele sabia tocar violão, violino, piano e flauta. Ichiro, apesar de também amar a música, gostava mais de cantar que tocar… Mas ele definitivamente não era bom nisso. Então se contentava com seu emprego.

Após a longa conversa, eles até mesmo convidaram as crianças para explorarem a floresta com eles no outro dia, no sábado, já que sexta já estava chegando ao fim. O Shonen Tantei Dan disse que pensaria no caso, assim que falasse sobre o assunto com o Hakase.


Por fim, e não menos importante:

Stuart Armstrong

Americano aposentado, antigo soldado, o homem era extremamente forte e ia para a montanha para se manter em forma, ainda em seus 77 anos! Extremamente risonho, sabia falar japonês fluentemente. Apesar de aparentar ser bem humorado, ele era bastante severo, provavelmente por causa de seu passado militar. Ele até mesmo colocou as crianças para ajudá-lo na coleta de lenha. Criança não poderia ser sedentária, argumentava ele.

– Hai hai… – Disse Conan quando o Armstrong disse sobre crianças não poderem ser sedentárias. O que fez o homem reclamar da resposta sarcástica.


Após esse final de tarde, o pessoal voltou à barraca e contaram sobre os companheiros para o Hakase e a Haibara. Após finalizarem o que tinham que fazer para se manterem lá o final de semana, eles se reuniram com o casal Furuzaki para jantar. Tomoe até mesmo preparou a enguia para o Genta, e a conseguiu através de uma negociação duvidosa… Já que enguia é mais barata que carne de boi. Mas como ele estava feliz, ninguém comentou muito sobre.

As estudantes se reuniram um pouco mais tarde trazendo bebidas e petiscos. Kagari, Armstrong e os Aoyama não apareceram…

Quando já iam dormir, Conan e Haibara foram à barraca do Hakase, que iria dormir em uma barraca separada das crianças, devido ao seu tamanho. O motivo?

– O próximo jogador está entre nós… – Falou Edogawa seriamente.

– O-o que?! – Exclamaram Hakase e Haibara.

– Shhh! Não gritem, ou querem jogar tudo pro ar?

– Como você descobriu isso Kudo-kun? – Perguntou Haibara assustada.

– Pelas atitudes suspeitas, é lógico… Obviamente eu tenho que primeiro ter a certeza. Mas já tenho meu suspeito principal. Se eu usar isso a minha vantagem, teremos uma vitória… Mas para isso, temos que pegá-lo antes dele completar o crime, mas depois dele iniciar o crime em si…

– Mas isso não é um pouco arriscado Shinichi? – Perguntou Hakase que tentava descobrir quem era o suspeito do amigo com as informações que lhe foram entregues.

– Sim… E infelizmente, será você a “tomar” esse risco Hakase… Não se esqueça que é você que tem que ganhar esse jogo. – Respirando fundo ele continuou. – O último jogo deu empate… Foi uma partida injusta, mas aparentemente não foi por escolha do Kuro. Mas por garantia nós iremos forçar nossa vitória dessa vez. Aproveitar que você sabe quem de fato é Edogawa Conan. Tentarei o mesmo quando for a vez do Heiji, tento assim duas vitórias. A questão é… Como faremos isso?

Em meio ao silêncio, Haibara iria questionar quem era o suspeito principal, mas ela foi interrompida por um grito de pânico vindo da floresta. Conan de imediato já saiu da barraca e disse para a Haibara proteger as crianças enquanto ele e o Hakase iam em direção ao grito.

Começava ali o próximo jogo.


1,997 palavras. (Só para constar)
Então, qual é a opinião de vocês sobre o suspeito? =V

11 thoughts on “E ninguém falou NADA de ontem não ter post…

  1. 400 visualizadores é muita coisa, mesmo se eu tivesse 2 vezes mais dedos ainda n dava pra contar nos dedos…….hj eu to com preguiça de procurar imagem e ainda quero aproveitar um pouco mais o sentimento bom de alguem ter reconhecido algumas no post anterior(luc, seu fofo ;3) então bem…..vou ficar por aqui mesmo :v

    1. E o número de pessoas que comentam é entorno das 6. Ou seja, menos de 2%! Isso é tão sadness and sorrow… Vou ficar remoendo isso por um bom tempo

      1. mas esse tipo de coisa até q é comum eu já vi por exemplo videos no youtube com uns 20mil visualizações e 14 comentarios

        1. Normalmente, há um padrão. Tipo… Geralmente é MAIS de 10% das visualizações… Não MENOS de 2%…

    1. Já é maior que muito livreto
      Tem 141 páginas de folha A4 (que é maior que folha de livro)

  2. São muitos suspeitos meu deus, não sei nem por onde começar
    Só digo uma coisa….. queria uma pulseira de sobrevivência tabém ;-;
    Desculpe por não aparecer ontem para comentar, eu nem mesmo entrei no computador ;w;
    Se eu tivesse que pensar quem seria o culpado, eu diria que é o pescador, assim como no anime já houve pessoas que fingiram algum problema para fazer alguma merda (*cof* peão da organização negra quando a kiir tava no hospital *cof*) acho super plausível alguem fingir ser surdo para diminuir suas suspeitas, afinal, quem pensaria que alguem surdo cometeria um crime? Nem é capaz de saber se está fazendo barulho ou não… (espero que ninguem leve isso como ofensa)
    Sobre o comentário de cima: caramba, 141 páginas? eu tenho tantos livros em casa que ainda não comecei a ler, e aqui estou eu lendo uma fic no mesmo tamanho de um livro sem nem mesmo perceber ‘0’
    Ah sim, eu só vi uma palavra em que você esqueceu uma letra
    “O próximo “grupo” na verdade era somente um [pescado], que” (quando o conan vai se apresentar ao pescador)
    Eu imagino o quão dificil deve ser pesquisar sobre as coisas para coloca-las na fic, eu que disse que queria a pulseira também, não sabia sobre o metal dentado e a vara de magnésio :v
    Ansiosa para a próxima parte <3

    1. Essa irá demorar um pouco =/
      Obrigado novamente pela correção.
      E sim, gasta bastante tempo pesquisar as informações, as vezes dou a sorte de ter um amigo que tem essa informação, mas nem sempre isso ocorre.
      Tive que pesquisar sobre essas pulseiras, e elas até que são baratas no Wish.
      Edit.: Já ia esquecendo… Quanto a quantidade da leitura… A fic vem aos poucos, se você lê-se assim os livros, também já os teria terminado XD

      1. É muito bom ter amigos com umas informações aleatórias e loucas, acaba servindo para a fic :v
        As pulseiras são bem baratas mesmo, mas como a maioria ( se não todas) possuem uma lâmina, não sei se chegaria no Brasil ;-;
        Concordo com você, se eu lesse aos poucos já terminaria os 20 livros que tem por aqui…. mas quando eu começo a ler eu não consigo parar XD quando chega meia noite eu me forço a parar de ler, e depois nunca mais volto ;-; é como se eu tivesse perdido a vontade, embora eu ainda sinta que ela exista.
        Como eu queria voltar a ler A casa de Hades, talvez quando a prova do curso passar ;w;

  3. olha só nem tinha percebido que era um cap até abri a página
    dessa vez não morri de ansiosidade(aaaaaaaaaiiiiii vou ter que voltar a estudar portugues porque o negocio ta ruim)

    não faaço a minima ideia de quem seja acho que não sou a melhor pessoa pra dar deduções ;-;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *